sábado, 28 de junho de 2014

"Mas o futuro era (e é, e sempre será) móvel, fruto de bifurcações em progressão geomética, e fazer planos, eu já desconfiava, um cacoete de constrangedora inutilidade."

Trecho de Azul-corvo, de Adriana Lisboa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário